Torcida Vermelha
Portal de Noticias do Sport Club Internacional

Inter finalmente acaba com problema antigo e ganha “paz”

Apesar de todas as críticas que a direção do Inter tem sofrido desde o início da gestão, algo que vale ressaltar é a criatividade dos dirigentes na última janela de transferências. Além de reforçar diversos setores do time, duas contratações resolveram um impasse antigo no Beira-Rio e a cada partida demonstram mais firmação no time.

Trata-se do ingresso de Fabrício Bustos e Renê, ambos se adaptaram rapidamente ao Colorado e se tornaram inquestionáveis nas laterais da equipe. Isso se evidencia pela sequência de partidas que os jogadores obtém desde a chegada à capital gaúcha.

Bustos ainda não foi poupado e no próximo domingo fará sua vigésima segunda partida consecutiva. O argentino apresentou ótimas atuações no início, mas nos últimos jogos tem decaído de rendimento, muito por conta do desgaste físico. No entanto, Mano Menezes prefere optar pela manutenção do camisa 16 e não tem dado chances a Heitor.

Já o lateral esquerdo chegou em um momento propício para assumir a titularidade. Renê desembarcou em Porto Alegre e três dias depois assumiu a titularidade da equipe, visto que, Moisés estava se recuperando de lesão e o setor estava sendo ocupado por Gabriel Mercado, que originalmente atua na lateral direita.

Problemas antigos nas laterais do Inter

Antes do ingresso dos atuais laterais existia um impasse grande no Beira-Rio. Analisando a situação mais recente, Moisés e Uendel alternavam a posição no setor esquerdo e ambos não conseguiram ser unanimidade. Da mesma forma, o lado oposto era revezado entre Rodinei e Heitor e assim como no lado canhoto, o destro não obteve firmação.

Com isso, Mano Menezes está podendo usufruir de algo que há muito tempo não ocorria no Beira-Rio. A firmação dos dois laterais é também mérito do treinador, que promoveu Renê a titularidade e deu sequência para Bustos. Na duelo contra o Bragantino, no próximo domingo (5), novamente os jogadores estarão entre os titulares, algo recorrente desde que chegaram à Porto Alegre.