Torcida Vermelha
Portal de Noticias do Sport Club Internacional

Dono da Ferrari com 127 bilhões no banco comprou Tricolor

Rival do Internacional na disputa do Campeonato Brasileiro, clube finalmente teve a venda concluída e terá vários milhões para investir em reforços nas próximas janelas. Isso porque o novo proprietário e sócio da Ferrari, que possui nada menos do que R$ 127 bilhões em sua conta bancária, dará aportes de pelo menos R$ 1 bilhão para a equipe nos próximos 15 anos.

O Bahia e o Grupo City finalizaram a transferência dos ativos do futebol e dos contratos com a CBF, incluindo com os jogadores, após assinarem os documentos finais. Com isso, a Bahia Sociedade Anônima do Futebol (Bahia SAF), foi oficialmente estabelecida e o Tricolor de Aço terá suporte financeiro para fazer investidas no meio do futebol.

Contudo, apesar da mudança nos bastidores, o Bahia continua sob a liderança de Guilherme Belintani na presidência, tendo Carlos Santoro como diretor esportivo e Raul Aguirre como CEO. O clube atua juntamente com o Grupo City e definiu a mudança para SAF depois de aprovação da compra do clube pelo Conselho Deliberativo no ano passado.

O Bahia possui uma pequena dívida e os valores, agora, passam a fazer parte de uma importante estrutura empresarial. O Grupo City se responsabilizou por toda a quantia devida. O principal clube do movimento é o Manchester City (Inglaterra), seguido por New York City (Estados Unidos), Girona (Itália) e Montevideo City (Uruguai), entre outros.

Qual a ligação entre Grupo City, Ferrari e o Tricolor?

O Grupo City foi criado depois da compra do sheik Mansour Bin Zayed Al Nahyan sobre o Manchester City, em 2008. O empresário em uma fortuna estimada em 23 bilhões de euros (R$ 126,5 bilhões). A grana é impulsionada por reservas de petróleo, controladas por sua família, localizada nos Emirados Árabes Unidos.

Além disso, o sheik tem 5% das ações da montadora italiana Ferrari. Ele tem investido a quantia em diversas mobílias e eventos luxuosos. Contudo, o empresário também optou por deslocar uma parte do dinheiro para fazer movimentações no meio do futebol. Desta forma, ele fechou com clubes como o New York City e o Tricolor de Aço.